Programa de ressocialização empregará mão de obra carcerária na produção de artefatos de cimento, em Acreúna


A Unidade Prisional Regional (UPR) de Acreúna iniciou, nessa terça-feira (09/10), a produção de artefatos de cimento no presídio. Bloquetes de cimento serão produzidos diariamente na fábrica instalada dentro do presídio, gerando vagas de trabalho para sete detentos.

De acordo com a 2ª Coordenação Regional Prisional da Diretoria-Geral de Administração Penitenciária (DGAP), os detentos irão confeccionar os itens a partir de uma parceria realizada com o Poder Judiciário, Ministério Público e Conselho da Comunidade em execução penal do município.

Os itens produzidos serão utilizados em obras públicas da cidade, como escolas, hospitais e vias urbanas. Os custodiados que trabalham na produção serão beneficiados com a remição da pena por tempo de trabalho, conforme indica a Lei de Execução Penitenciária (LEP) – Lei n º 7.210/84.

A ação realizada pela UPR vai ao encontro das diretrizes determinadas pelo Governo do Estado, em consonância com a Secretaria de Segurança Pública e a DGAP, que visam o desenvolvimento de projetos de ressocialização para empregar mão de obra da população privada de liberdade.

Diretoria-Geral de Administração Penitenciária
Comunicação Setorial



Source link