Em oito meses, menos 12,5% de vítimas de homicídios no DF – Agência Brasília

0
25


45% Índice de redução nos casos de latrocínio entre janeiro e agosto, na comparação com o ano passado

O conjunto de políticas adotadas pelo programa DF Mais Seguro, da Secretaria de Segurança Pública (SSP), assegura a queda na criminalidade no Distrito Federal, mantendo os números positivos obtidos nos últimos dois anos. Levantamento feito pela secretaria mostra que, em agosto, o número de vítimas dos crimes violentos letais intencionais (CVLIs) – que englobam homicídios, latrocínios e lesões corporais seguidas de morte – foi o segundo menor dos últimos 22 anos para o mês, com um caso a mais que 2019.

De janeiro a agosto deste ano, a redução desses crimes chegou a 14,7%, o que representa 40 vidas poupadas no período. O número de vítimas de homicídio é o segundo menor desde 2000, quando foram registrados 58 casos, 34 a mais que este ano, com 24. No latrocínio, a queda foi de 45% nos primeiros oito meses deste ano em relação ao mesmo período do ano passado: de 22 para 12 casos.

“Temos avançado na estratégia desenvolver ações com base em estudos de microrregião e de inteligência”, reforça o secretário de Segurança Pública, Júlio Danilo. “Com isso, passamos a atuar de acordo com a realidade de cada Região Administrativa do DF. Com o apoio do governador Ibaneis Rocha, estamos avançando com o programa DF Mais Seguro, que é a base das ações de Segurança Pública até o final de 2022. Cabe destacar, ainda, a importância do trabalho integrado entre as forças de segurança para que superássemos os bons números conquistados nos últimos dois anos.”

Homicídios

“A identificação e prisão de autores impacta a incidência desse tipo de crime, pois impede a reincidência” Júlio Danilo, secretário de Segurança Pública

Em 2020, o DF registrou o menor índice de homicídios em 41 anos e se tornou a unidade da Federação com maior percentual de redução desses casos. Nos primeiros oito meses de 2020, o DF teve 248 vítimas de homicídios; e, no mesmo período deste ano, 217, marcando 12,5% de redução. Isso significa 31 vidas salvas. Houve também diminuição de 14,5% nas tentativas desse tipo de crime, de 454 para 388 registros.

“O alto percentual de resolução de crimes, o enfrentamento ao tráfico de drogas e ao porte ilegal de armas feito pelas nossas polícias, além do tempo resposta do Corpo de Bombeiros no atendimento às vítimas, foram muito importantes nesse processo”, explica o titular da SSP. “A identificação e prisão de autores impacta a incidência desse tipo de crime, pois impede a reincidência.”

O secretário destaca também a intensificação da operação integrada Quinto Mandamento, que efetuou cerca de 15 mil abordagens em um ano. “A intenção da operação é simples: preservar o maior bem do ser humano, que é a vida”, resume. “Para isso, focamos nossas ações em locais, dias e horários críticos para coibir o tráfico de drogas e para retirar armas ilegais das ruas, crimes que têm relação direta com os homicídios”.

Crimes contra o patrimônio

Todos os seis crimes contra o patrimônio (CCPs), monitorados de forma prioritária pela SSP, marcaram queda de 17,4% nos primeiros oito meses de 2021. A queda nesses tipos de crime representa 3,7 mil roubos e furtos a menos no Distrito Federal. São números que impactam diretamente a sensação de segurança da população.

O roubo em transporte coletivo foi o crime com maior redução no período, de 45,6%, de 720 para 392 ocorrências em todo o DF, o que significa 328 casos a menos. No roubo a transeunte houve 19,5% de redução. O furto em veículo e os roubos a residência, de veículo e a comércio caíram 10%, 10,9%, 11,9% e 4,4%, respetivamente.

Destaque nacional

Em 2020, o DF teve a maior queda de violência em valores percentuais: 13,4%, comparado com o ano anterior, 2019. O registro vai na contramão do país, que obteve aumento de 5,6%. Os dados são do Anuário Brasileiro de Segurança Pública, divulgado em junho pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP). Este ano, conforme pode ser verificado, os números seguem em queda no comparativo com 2020.

*Com informações da Secretaria de Segurança Pública



Source link