Eape promove debate sobre educação e contação de histórias – Agência Brasília

0
70


A etapa de conclusão de mais um ciclo de aprendizado da Subsecretaria de Formação Continuada para os profissionais da Educação foi registrada na live “Investigando o papel da contação de histórias na constituição dos sujeitos”, exibida pelo canal da escola no YouTube.  Realizado nesta sexta-feira (13), na Escola de Aperfeiçoamento dos Profissionais da Educação (Eape), o evento virtual marcou o encerramento do Seminário de Formação Continuada.

Durante o encontro, realizado no formato on-line, a secretária de educação, Hélvia Paranaguá (E), destacou o papel da Eape: “É uma escola de excelência que ajuda a desenvolver as habilidades dos profissionais da educação” | Foto: Divulgação/SEE

“As histórias são vistas como um elemento de transformação psicológica, mais do que só apenas para passar a informação e conteúdo” Guilherme Brockington, pesquisador

A secretária de Educação, Hélvia Paranaguá, participou da abertura do encontro on-line. “Eu sempre levarei a Eape comigo porque ela participou fortemente da minha formação na vida profissional”, contou. “É uma escola de excelência, que ajuda a desenvolver as habilidades dos profissionais da educação”.

Durante a live, a subsecretária da Eape, Maria das Graças de Paula, lembrou: “Os cursos fazem parte de uma construção coletiva com todos participando ativamente, dando suas contribuições e observando os documentos que pautam a educação”.

Educação, neurociência e histórias

A live mostrou a importância das narrativas para construção social, psicológica e educacional do ser humano. Os pesquisadores Guilherme Brockington e Ana Paula Moreira conduziram as falas para os profissionais da Secretaria de Educação (SEE).

Eles mostraram que, a partir de pesquisas científicas e da observação das civilizações, há uma clara percepção de que a tradição de contar histórias sempre teve um papel fundamental na sociedade. A questão, disseram, é observar que as narrativas são usadas para além da utilidade de se passar uma informação, pois elas geram também vínculo emocional e afetivo.

“As histórias servem para colocar as pessoas no mesmo ritmo e clima emocional”, observou Guilherme. “Elas são vistas como um elemento de transformação psicológica, mais do que só apenas para passar a informação e conteúdo”, conta Guilherme Brockington. “As histórias não são só diversão ou passatempo; elas fazem a construção de sentido”, pontuou Ana Paula. “Não há uma separação certa entre palavra, fisiologia e emoção.”

A live demonstrou que as histórias também são importantes para o desenvolvimento das pessoas, especialmente das crianças, porque a partir delas é que o ser humano consegue fazer abstrações e simular a realidade, conectando-se às vivências de outras pessoas. Esse conjunto de ideias e sensações poderá ser utilizado em outras situações para construção e solidificação de novos conhecimentos.

Reação cerebral

Guilherme Brockington e Ana Paula Moreira desenvolveram uma pesquisa com crianças internadas em uma UTI de um hospital no Brasil. Elas foram divididas em dois grupos. Enquanto o primeiro recebeu a contação de histórias, o segundo teve apenas estímulos de sentenças do tipo “o que é, o que é?”, sem uma narrativa definida.

Durante o tempo em que observaram os grupos, os pesquisadores perceberam que as crianças do primeiro grupo reagiram melhor ao ambiente hospitalar e produziram mais oxitocina (hormônio da alegria) e menor nível de cortisol (hormônio do estresse) do que o segundo grupo.

Os pesquisadores finalizaram a participação na live com uma reflexão que pode auxiliar os professores a deixarem o processo de aprendizagem ainda mais atraente com as técnicas utilizadas na contação de histórias – ou storytelling. “O mercado já usa o storytelling para vender mais com histórias que captam as pessoas”, explicou Guilherme. “Então, temos que ficar atentos para fazer pesquisas e trazer soluções de storytelling para aprender mais nas escolas.”

*Com informações da Secretaria de Educação



Source link