Estelionatário que clonou celular de Rollemberg está preso

0
48

Jefferson Rodrigues Filho, o homem que clonou o telefone celular do governador Rodrigo Rollemberg (PSB), está preso.

A prisão preventiva do suposto estelionatário foi decretada pelo juiz Wagno Antônio de Souza, da 2ª Vara Criminal de Taguatinga. Na última quarta-feira (15/03), a Justiça negou o relaxamento da prisão.

Jefferson teve a prisão preventiva decretada em dezembro, depois de ser denunciado pelo Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) pelos crimes de apropriação indébita, falsificação de documento e estelionato. Ele está preso no Centro de Detenção Provisória (CDP).

Ao decretar a prisão, o juiz considerou a conduta criminosa recorrente de Jefferson. Ele tem cinco registros criminais, três deles por estelionato. “A conjugação desses fatos aponta no sentido de que o acusado desafia a paz social e certamente acredita na impunidade na repressão criminal. Igualmente, evidencia que em liberdade ele encontra estímulos para continuar na seara criminosa, pois a atuação Estatal, até o momento, não se mostrou suficiente para lhes impor um freio inibitório”, ressaltou o juiz.

No caso em questão, Jefferson teria se apropriado de um veículo e tentado passar o bem para o seu nome. Uma outra pessoa foi presa ao tentar fraudar o documento no Detran-DF. A Polícia Civil apurou que Jefferson alugou um GM/Spin da locadora Mobiliscar e tentou passar o veículo para o seu nome, usando documentos falsos. O crime ocorreu em 31 de agosto do ano passado,

 

Estelionatário pediu empréstimo

Em janeiro, Jefferson foi condenado por clonar o celular de Rollemberg. Um ano antes, ele foi a uma loja da operadora Vivo em um shopping de Brasília e conseguiu um chip com o número do telefone do governador. Por meio de mensagens de WhatsApp, Jefferson pediu e conseguiu empregos no GDF, fazendo-se passar por Rollemberg.

A trapaça só foi descoberta quando Jefferson pediu um empréstimo ao então chefe de gabinete de Rollemberg, Rômulo Neves, que desconfiou da situação.

Depois da Operação Drácon, em agosto do ano passado, Jefferson esteve no gabinete da deputada Celina Leão (PPS), para um depoimento informal, em que apontou ter trocado mensagens com Rollemberg. O governador nega.